previous arrow
next arrow
Slider

 

Começar a produzir sabonetes fez parte de um processo. E continuar ainda tem sido parte.

Outro dia, minha irmã nos disse que é bacana introduzir coisas novas. Porém, ao refletir, constatamos que ao contrário disso, são resgates que temos feito. Desde uma vida mais simples à produção de alimentos e sabonetes, estamos trazendo de volta todo o processo que se fazia antigamente e que, por várias razões, passaram a não fazer mais parte de nosso dia a dia.

Meu pai, quando soube que estávamos fazendo sabonetes, comentou que lembrava de minha avó tirando a gordura do porco pra fazer os sabões na infância dele. Por incontáveis vezes ela seguiu o mesmo ritual de extrair a gordura (à beira de um rio), misturar com uma base e transformar os ingredientes num produto de um processo que demanda tempo e esforço físico em épocas que não havia uma variedade de ‘coisas’ disponíveis na prateleira de um supermercado.

A motivação de produzir os sabonetes apareceu quando vimos que já estávamos utilizando produtos alopáticos em nosso filho com dermatite há muito tempo (pra não dizer tempo demais). Num processo de idas e vindas de farmácias com a cesta cheia de hidratantes, sabonetes e remédios caros, estávamos esgotados dessa dependência cada vez mais onerosa.

Como produzir nossos próprios cosméticos já era parte de nossos planos, iniciamos nossa pesquisa e resolvemos que, sendo descendentes de japoneses, os produtos adequados à nossa pele seriam aqueles que tivessem composições mais semelhantes às de nossos ascendentes pela suavidade. Estudamos (e continuamos estudando) os óleos vegetais e, recentemente, os óleos essenciais, já que nossa proposta é a de utilizar ingredientes 100% naturais.

Em março, fizemos nossa primeira barra de sabonetes de óleo de oliva extra virgem e côco extra virgem orgânico, que é este abaixo:

Os primeiros sabonetes de oliva e côco (cor natural da saponificação)

Os primeiros sabonetes de oliva e côco
(cor natural da saponificação)

Barra inteira

Barra inteira, antes do corte, depois de 48 horas

Corte da barra de sabonete que é feito com faca de cozinha.

Corte da barra de sabonete que é feito com faca de cozinha

 

Jamais imaginaríamos que esse processo alquímico fosse nos conquistar! Como dizem alguns saboeiros: é praticamente cozinhar. Afinal utilizamos os mesmos utensílios de cozinha, a maioria dos ingredientes e receitas!

Criar sabonetes tem significado – muito além da autonomia de escolher as propriedades deles – um rico aprendizado para a vida: compreender e respeitar o que a natureza nos fornece como ingredientes (alguns óleos são extraídos de árvores depois de 30 anos), do tempo de cura (levam no mínimo 4 semanas) e a resiliência em aprender com a natureza e inclusive com a gente mesmo.

Para conhecer melhor nossos sabonetes, é só clicar aqui! A cada semana produzimos uma nova barra e, aos poucos, falaremos de cada um deles!
Um forte abraço à todos!