Nilu, jornalista e cinéfila, é naturalmente uma contadora de histórias. Filha de pernambucana e neta de francês, sua escrita e sua fala soam em uníssono e, ouví-la falar ou ler o que escreve, seria como degustar um crème brulée muito bem feito: leve, saboroso, e sofisticado ao mesmo tempo, numa analogia a uma de suas paixões.

Conhece uma infinidade de histórias sobre a gastronomia, desde muito antes de Escoffier até os dias de hoje. E adquiriu seu conhecimento ainda criança, uma vez que o cardápio da sua casa incluía pratos franceses e nordestinos para satisfazer o paladar europeu do avô Lebert e o da família da mãe pernambucana. Mais tarde, seu entusiasmo pelo tema adquiriu maior profundidade através de seu marido Mellão, incansável pesquisador da matéria e chef do Mellão Trattoria.

Nilu trabalhou durante 11 anos na Editora Abril, foi editora de beleza da revista Capricho por seis anos e, posteriormente, atuou como assessora de imprensa da empresa Phytoervas. Em função desse trabalho, se inteirou do processo da fabricação de produtos feitos unicamente com ingredientes naturais e da sua eficiência como tratamento para o corpo e para a alma.

Há 15 anos atua como jornalista e escritora na área da gastronomia escrevendo livros, artigos, e ministrando palestras sobre a gastronomia no cinema. Juntou suas duas grandes paixões e desenvolveu o projeto “Filmes com Sabor”, que inclui palestras/eventos/encontros sobre o tema. No cardápio estão os foodfilms recheados de histórias, estórias e curiosidades, além da degustação de alguns dos pratos ou drinques vistos na tela.

*****

“Bons filmes e bons pratos são dois dos grandes prazeres da vida.”

Saiba mais sobre Filmes com Sabor, clicando aqui.

AIDÉE Você é autora dos livros O Cinema vai à Mesa, Bebendo Estrelas – ambos escritos em parceira com Rubens Ewald Filho –, escreveu também o livro Bistrots e Trattorias, Cozinhas da Alma, e é idealizadora do evento Filmes com Sabor. Como se dá a triangulação comida, prazer e cinema nesse projeto?

NILU LEBERT Bons filmes e bons pratos são dois dos grandes prazeres da vida, e a união dessas duas artes deu origem a filmes absolutamente saborosos (como Ratatouille, Chocolate e Julie & Julia) e, também, ao ciclo de palestras Filmes com Sabor. Nesses encontros/eventos mostro cenas de filmes que envolvem a gastronomia e, enquanto elas se sucedem, comento a origem dos pratos e também curiosidades a respeito da produção cinematográfica.

“Há sempre uma história por trás de cada receita, uma influência, uma crença, uma curiosidade.”

AIDÉE Você possui uma vasta bibliografia gastronômica em sua casa, é casada com o Mellão, e já frequentou vários restaurantes pelo mundo. Qual é a importância de conhecer a tradição e a história por trás de qualquer prato tanto por quem cozinha como por quem aprecia?

NILU LEBERT Para responder a essa questão preciso te contar que certa vez, jantando em uma Trattoria na Itália, pedi um filé à parmegiana. Ninguém fazia ideia do que fosse isso, desconheciam o prato. Descobri então que essa preparação foi uma adaptação feita pelos imigrantes italianos que aqui chegaram ao final do século 19 e, como não encontraram a berinjela (protagonista do prato Berinjela à Parmegiana, um ícone da gastronomia italiana), fizeram a receita com carne… Há sempre uma história por trás de cada receita, uma influência, uma crença, uma curiosidade. Quando nos inteiramos disso a experiência de comer se torna mais completa.

“A gastronomia é a arte de recriar nosso primeiro sabor gustativo de maneiras novas, e as opções são infindáveis.”

AIDÉE Você não é adepta a nenhum movimento alimentar nem é defensora de uma culinária em particular. Pra você, qual a relação da comida com o bem-estar?

NILU LEBERT A gastronomia é a arte de recriar nosso primeiro sabor gustativo de maneiras novas, e as opções são infindáveis. Quando conseguimos “ouvir” nosso corpo (sim, ele fala!), percebemos que ele pede o combustível certo para funcionar perfeitamente. Sabe aquela vontade de comer uma salada refrescante no verão ou o desejo de uma sopa no inverno? A linguagem do corpo vai além, aciona o desejo e a necessidade da ingestão de proteínas, por exemplo. Mas as demandas do corpo são inúmeras, e aparecem nas mais variadas formas. Quem nunca sentiu vontade, nas horas de tristeza, de um doce bem calórico ou de um pedaço de chocolate liberador de dopamina?

“O filósofo/botânico grego Theophrastus (370-286 a.C.) um dos mais importantes botânicos da antiguidade, escreveu sobre as qualidades de cura de perfumes em seu livro “Sobre Odores”.”

AIDÉE Muitas ervas transcendem a antiguidade no seu uso tanto pela culinária como para cuidados medicinais ou para a beleza. Existe alguma curiosidade que vale a pena citar sobre alguma ou algumas delas?

NILU LEBERT Duas dessas ervas, a sálvia e a lavanda, desde a Antiguidade foram consideradas ervas sagradas. Sabemos hoje que a sálvia (cujo nome SALVIA deriva do latim SALUS, que significa “saúde”) tem várias aplicações fitoterápicas, como em afecções de pele de origem micótica e feridas, na sudorese, como auxiliar contra a má digestão, gastrite, cólicas em geral e também para uso bucal (como antisséptico). Já a lavanda tem diversas propriedades, tais como ação antifúngica, analgésica, anti-inflamatória, bactericida, sedativa e cicatrizante. Ela era utilizada para a mumificação e perfumes pelos egípcios, fenícios, e os povos da Arábia. Os gregos aprenderam a usar a lavanda com os egípcios, que além de a usarem como perfume pessoal e nas mumificações, também ungiam a cabeça com o óleo desta planta. O filósofo/botânico grego Theophrastus (370-286 a.C.) um dos mais importantes botânicos da antiguidade, escreveu sobre as qualidades de cura de perfumes em seu livro “Sobre Odores”. Já na culinária as ervas são coadjuvantes perfeitas em determinados pratos e também muito usadas em chás ou mesmo para aromatizar a água. Cá entre nós, quem resiste ao consagrado molho pesto que exalta o sabor do manjericão? Além do mais, os pratos árabes perderiam a graça sem o perfume da hortelã…

“…mulheres que fizeram História já sabiam dos benefícios dos ingredientes naturais para garantir saúde e beleza.”

AIDÉE Atualmente, fala-se muito sobre produtos naturais para cuidados com a beleza. Como cinéfila e por sua experiência de anos prestando serviços para empresas de cosméticos naturais, gostaria de saber se é verdade que celebridades do século passado já faziam uso desses produtos.

NILU LEBERT Sim, é isso mesmo! As atrizes da época de ouro de Hollywood já investiam em produtos naturais para cuidar da beleza. Vale lembrar que, naquele tempo, não havia photoshop nem aplicativos para corrigir imperfeições ou grande oferta de produtos cosméticos. E elas iam à fonte, ou seja, buscavam os elementos da natureza que, agora, estão no topo da lista dos ingredientes dos cosméticos. Mae West, na foto em preto e branco, de décadas atrás, já sabia de algo que atualmente estamos redescobrindo: a importância do uso de óleos naturais em prol de objetivos estéticos, e ela só usava óleo de coco como creme hidratante para dar brilho à pele. Outra atriz que recorria ao uso de produtos naturais para praticar os seus rituais de beleza foi Rita Hayworth, que cuidava dos cabelos aplicando azeite de oliva e enxaguando os fios com água e suco de limão. Sophia Loren é outro exemplo de pele perfeita graças ao uso de produtos naturais. E agora, no século 21, Jessica Alba fundou a The Honest Company, uma empresa dedicada a produtos vendidos como sendo naturais e ecologicamente corretos que se tornou sua maior fonte de renda! Mas, como você mencionou acima, outras mulheres que fizeram História já sabiam dos benefícios dos ingredientes naturais para garantir saúde e beleza. Entre elas, Cleópatra (69 a.C. – 30 a.C.), que tomava banho de leite de cabra, mel e óleo de amêndoas, para amaciar e rejuvenescer a pele. Reza a lenda que a rainha chegava ao ponto de levar sempre um rebanho de cabras em suas viagens para garantir que não faltasse o principal ingrediente do seu banho. Já a rainha Maria Antonieta (1755 – 1793) se banhava colocando ervas e flores na água, e costumava esfoliar a pele para amaciá-la. Conclusão? Desde sempre as mulheres se valem dos produtos naturais, feitos com ingredientes que, hoje, algumas empresas e blogueiras divulgam como se fosse uma grande novidade…

SERVIÇOS:

NILU LEBERT, jornalista gastronômica e autora de vários títulos em Gastronomia

e-mail : nilulebert@uol.com.br

facebook: @filmescomsabor

website: www.filmescomsabor.com.br